Na Uakari Lodge turismo e ciência sempre estiveram unidos pela conservação de Mamirauá

Todos os nossos visitantes têm ao menos um momento de interação com os pesquisadores que atuam a região - e contribuem para que continuem atuando para a conservação socioambiental



Você já deve ter percebido que nós, aqui na Uakari Lodge, temos muito orgulho em falar que unimos turismo e desenvolvimento sustentável de verdade. Um dos aspectos mais importantes nesta nossa bandeira pelo turismo responsável é a proximidade entre turismo e pesquisa científica, que está presente tanto em nossa operação quanto no relacionamento com grupos de pesquisa do Instituto Mamirauá - IDSM e outros parceiros que atuam a região.


Quando você visitar a Reserva Mamirauá irá perceber isso imediatamente: estamos sempre recebendo a visita de cientistas e pesquisadores de todo o Brasil e do mundo, que utilizam a nossa infra-estrutura como apoio para as atividades de campo em nossa região. Além disso passamos por unidades flutuantes de pesquisa do IDSM e outros parceiros como o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA.


São estes os pesquisadores que irão apresentar, para todos os nossos visitantes, parte dos estudos que desempenham na região: eles irão te apresentar um pouco sobre a espécie que pesquisam, os objetivos de pesquisa e a sua importância para a conservação da fauna e flora locais. Botos-rosas, tucuxis, onças-pintadas, jacarés, peixes... sempre haverá um grupo de pesquisadores na Uakari Lodge para você conhecer e interagir.



Além destas interações existem dois outros programas que oferecemos que trazem a ciência para o centro, e você se torna um cientista por alguns dias.


Um deles é a "Expedição Onça-Pintada", que acontece anualmente entre os meses de Maio e Junho. Aqui a experiência é inteiramente conduzida pelos pesquisadores do Projeto Iauaretê do IDSM, que pesquisa o comportamento deste felino há muitos anos na região. Além de ter a oportunidade de conviver com estes pesquisadores (e eventualmente até observar as onças na copa das árvores!), você vai aprender a desempenhar as atividades clássicas de pesquisa, como analisar amostras de sangue de onças no microscópio, fazer um estudo da pelagem dos animais, entender com mais profundidade os hábitos de caça da espécie... tudo isso em um programa de 04 noites.



Além da Expedição Onça-Pintada, que já acontece há alguns anos por aqui, começamos a operar neste ano o "Nas Pegadas de Henry Bates". Nesta expedição remontamos os passos do naturalista britânico que dá nome ao programa, que esteve por aqui em meados do século XIX e tem uma importância enorme para o desenvolvimento de futuras pesquisas científicas em toda a região amazônica.


Ao longo de 05 noites você irá passar pelos mesmos caminhos que Henry Bates passou, e nossa história deságua em Tefé (onde passamos 01 dia inteiro!) e Instituto Mamirauá, visitando seus laboratórios e acerto histórico.



***

Ficou interessado? Entre em contato conosco e vamos organizar sua expedição científica para a Amazônia em 2022 :-) você conhece este bioma, se diverte apreendendo e apoia a conservação da biodiversidade local.