ūüáßūüá∑ Como a Uakari Lodge transformou pesquisa cient√≠fica em experi√™ncias para o turista


Uma pesquisa cient√≠fica sobre o avistamento de macacos uacari e seu monitoramento realizado pelos turistas da Uakari Lodge acaba de ser publicado no International Journal of Primatology. O artigo, entitulado ‚ÄúTurismo de Base Comunit√°ria e Observa√ß√£o de Primatas como Estrat√©gia de Conserva√ß√£o na Amaz√īnia‚ÄĚ √© resultado de um trabalho realizado ao longo de 02 anos, em uma parceria dos guias locais e naturalistas e os visitantes da Reserva Mamirau√°.


O monitoramento do macaco uacari foi desenhado no final de 2018 com o objetivo de compreender qual era a porcentagem dos visitantes da Uakari Lodge que conseguiam fazer o avistamento desta espécie, e quais eram os fatores que influenciavam nos avistamentos. Com isso, a equipe de guias locais e naturalistas começaram um estudo de como melhorar os passeios para que as chances (que já são altas!) de avistamento aumentassem ao longo do tempo.


O mais interessante desta pesquisa foi a sua estratégia: transformar ela em atividade de ecoturismo para seus visitantes!


Os guias locais, a cada sa√≠da a campo com turistas, controlavam em tabelas o n√ļmero de pessoas que participavam do seu grupo, qual era a trilha utilizada, se houve avistamento do animal e, em caso positivo, quantos macacos eram e o que eles estavam fazendo. Os turistas, por sua vez, tamb√©m tinham sua tabela, e nela davam informa√ß√Ķes do avistamento e dos servi√ßos contratados para a Uakari Lodge. Os turistas eram informados que estavam participando de um programa de monitoramento e que eram pe√ßa-chave nesta pesquisa cient√≠fica, o que motivava ainda mais a busca pelos uacaris durante as atividades de ecoturismo.


O volume de dados colhidos ao longo deste tempo permitiu o desenvolvimento desta pesquisa cient√≠fica com o envolvimento dos guias locais da Uakari Lodge e seus turistas. Foram coletadas informa√ß√Ķes de 655 h√≥spedes ao longo deste tempo, que participaram de 334 dias de campo distribu√≠das em 602 atividades de lazer nas trilhas e canais da Reserva Mamirau√°.



Esta √© uma estrat√©gia eficiente para a coleta de dados cient√≠ficos, que foram analisados posteriormente pelo Grupo de Pesquisas de Primatas e pelo Programa de Turismo de Base Comunit√°ria do Instituto de Desenvolvimento Sustent√°vel Mamirau√° - fundador e co-gestor da Uakari Lodge. Por ser uma esp√©cie de distribui√ß√£o restrita ao M√©dio Solim√Ķes, a coleta de dados do uacari se torna ainda mais desafiadora por n√£o haver muitos estudos espec√≠ficos. O trabalho foi publicado pela guia naturalista da Uakari Lodge, a bi√≥loga Cynthia Lebr√£o em parceria com os primat√≥logos Fernanda Paim e Felipe Enes, com importantes colabora√ß√Ķes de Pedro Nassar (Coordenador do Programa de Turismo de Base Comunit√°ria), Lana Rosa (guia naturalista da Uakari Lodge √† √©poca da coleta de dados) e do estat√≠stico Hani Bizri.


73.4% dos h√≥spedes na Uakari Lodge conseguiram avistar o macaco uacari pelo menos 01 vez. Em 55% dos avistamentos os macacos uacari estavam se movimento, realizando ‚Äúviagens‚ÄĚ. Em 35% eles estavam se alimentando e somente em 9% destes avistamentos os animais estavam descansando.


Outro dado importante √© que os avistamentos aconteceram com maior frequ√™ncia e em maiores grupos de animais juntos durante as √©pocas de cheia e a bordo das canoas de madeira, atividade cl√°ssica de lazer da Uakari Lodge. Isto se explica porque nas √©pocas de cheia a quantidade de frutos √© mais abundante, e assim os uacaris n√£o precisam viajar longas dist√Ęncias para se alimentar. Os passeios de canoa tamb√©m costumam ser mais silenciosos, sem causar a percep√ß√£o da presen√ßa do turista em grande parte das situa√ß√Ķes de campo.


Importante ressaltar que a Uakari Lodge não interfere no comportamento de nenhuma espécie animal da Reserva Mamirauá com fins de observação - motivo que faz da experiência da pousada ganhadora de prêmios nacionais e internacionais que reconhecem seus esforços em transformar o turismo em atividade de conservação da biodiversidade local. Os monitoramentos de fauna na Uakari Lodge e sua relação com a atividade turística já foram objeto de outros estudos desenvolvidos pelo Instituto Mamirauá, que mostram que as atividades de lazer aqui não causam impactos no comportamento de primatas.

Se você quiser conhecer os resultados completos desta pesquisa, clique aqui!


***

Imagens: Cynthia Lebr√£o